Elliott Smith
Strung Out Again



Leituras Recomendadas:


The Bible According to Mark Twain
+
Animal Behavior






a causa foi modificada
alexandre soares silva
estado civil
joão pereira coutinho
melancómico
voz do deserto



100nada
a aba de heisenberg
a origem das espécies
a sexta coluna
achoeu
adufe
amor em part-time
blogame mucho
bomba inteligente
contra a corrente
daltonic brothers
fábrica lumière
homem a dias
mar salgado
marretas
papoila procria
posto de escuta
a praia
quase famosos
rititi
senhor carne
theoldman








cinecartaz
guardian film
rotten tomatoes
nytimes movies
the film file
sight&sound
all story
filmfestivals.com
faber&faber film
eternal gaze
cineguia
icam



<








This page is powered by Blogger. Isn't yours?


quinta-feira, abril 08, 2004


O melhor brinquedo que se pode ter, 1



Nasci, e cresci, como filho único. Ser o único representante da classe das crianças no interior do meu agregado familiar, de classe média, permitia-me ter todos os brinquedos só para mim. O reverso da medalha era brincar a sós, logo, a minha melhor amiga sempre foi a imaginação. Mas mesmo a imaginação mais inventiva encontra obstáculos em certo tipo de brinquedos.
Os Action Force (a.k.a. G.I.Joe), divididos em duas facções militares opostas, proporcionavam algumas horas de prazer até ao momento em que um dos lados perdia. Nessa altura talvez Deus ainda estivesse presente na minha vida, pois alguns inimigos ressuscitavam miraculosamente a fim de permitir que a brincadeira se prolongasse por mais uns minutos. As pistas de automóveis, colocavam os carros miniatura a fazer jogging, uma vez que corriam sempre sozinhos e nunca iam perder ou ganhar. Os comboios tinham uma certa graça mas tantos círculos causavam-me náuseas. Achava que já não tinha idade para os Masters do Universo, e os Famobil (actualmente conhecidos como Playmobil), na altura, assemelhavam-se a brinquedos de meninas.
Mas, uma marca de brinquedos, criou uma lenda, inventando peças de várias cores e formas que se encaixavam umas nas outras. Essa marca, chamava-se Lego. Qualquer brinquedo da Lego, permitia encaixar-se de mil e uma formas, e o desenho da caixa rapidamente mudava para outras configurações, muitas vezes indefinidas. Depois, os brinquedos juntavam-se. De todas as caixas que iam chegando a minha casa, as peças contidas no seu interior juntavam-se às irmãs num grande saco. A imaginação, tornava-se então o único limite. No chão do meu quarto foram construídas cidades, bases lunares, pistas de corridas, aeroportos, heliportos, hospitais, estádios de futebol, monstros, estações de serviço, lojas, parques de diversões, e muito, muito mais. O meu quarto, foi quase sempre um portal para outros mundos, novas dimensões, muitas histórias. Viagens, descobertas, vitórias, amores, histórias de sucesso e insucesso, graças à marca de brinquedos que desde 1916 anima os tempos livres da pequenada. Cada vez menos, é verdade, mas isso já é outra história.

(A continuar)








Google
WWW A Origem do Amor