Elliott Smith
Strung Out Again



Leituras Recomendadas:


The Bible According to Mark Twain
+
Animal Behavior






a causa foi modificada
alexandre soares silva
estado civil
joão pereira coutinho
melancómico
voz do deserto



100nada
a aba de heisenberg
a origem das espécies
a sexta coluna
achoeu
adufe
amor em part-time
blogame mucho
bomba inteligente
contra a corrente
daltonic brothers
fábrica lumière
homem a dias
mar salgado
marretas
papoila procria
posto de escuta
a praia
quase famosos
rititi
senhor carne
theoldman








cinecartaz
guardian film
rotten tomatoes
nytimes movies
the film file
sight&sound
all story
filmfestivals.com
faber&faber film
eternal gaze
cineguia
icam



<








This page is powered by Blogger. Isn't yours?


segunda-feira, março 14, 2005


BLOSCARES 2005


1. Sim, sou eu que mando nisto tudo dos prémios. Nomeio, voto, decido, penduro as fitas, afago o chão do palco, apresento, conduzo as limusinas, atendo os estranhos pedidos especiais dos nomeados, etc, ou seja, estamos falados quanto ao assunto da credibilidade. Porém, este ano, por boa vontade, decidi emprestar um cheirinho de prestigio aos prémios, criando o prémio do júri. Isto é, alguns dos melhores decidem quem são, na verdade, os melhores. É com prazer que anuncio desde já os três elementos do júri. Estão cá desde cedo, já ganharam bloscares, e são bons. Muito bons. A saber:

Ana Albergaria, Nuno Costa Santos, Pedro Caeiro


2. Os nomeados agradecem, os não nomeados preocupam-se com o aumento de visitas, anda tudo em polvorosa. E, como seria de esperar, as tentativas de suborno já começaram. Grupos de media que me oferecem espaço para crónicas na imprensa, almoços com a promessa de entrega de cheques chorudos, colecções completas dos 99 livros do público. Para os que pensaram que eu ia referir favores sexuais, ide a outros lugares da net. A blogosfera é um sítio sério. Cambada de libertinos.

Mas desde já aviso que o suborno só faz sentido se ultrapassada a fasquia que permite perder a dignidade. A saber: Cheque ilimitado e vitalício na Dolce & Gabbana, ou um Ford GT em cinza claro com risca azul.


3. Para fechar, uma frase feita, sem uma pinta de sinceridade: Obrigado eu.








Google
WWW A Origem do Amor